Crítica | Narcos 1x09 - La Catedral


“El propósito de la guerra es la paz.”



Chegamos ao penúltimo capítulo de nossa jornada pela primeira temporada de Narcos, e em “La Catedral” somos (re)apresentados a Pablo Escobar, que agora luta consigo mesmo enquanto é mantido dentro das barras douradas – e com um “Q” de Las Vegas – de sua fortaleza-prisão.


A visão de La Catedral foi uma escolha interessante para início. A prisão era a “ilha particular” de Escobar, e a série conseguiu transmitir essa ideia com bastante eficiência, sem, entretanto, deixar de apresentar como estar “preso” afeta Escobar. Este foi decididamente um dos episódios em que Wagner Moura deixou mais o Capitão Nascimento dentro dele vazar já que com uma quote como essa, é difícil não perceber a “fórmula Padilha”:




“El propósito de la guerra es la paz.”



As mudanças – e a progressão de roteiro – rápidas que a série faz decididamente é um dos outros brilhantismos que a série usa, mas neste episódio (e, para uma descrição completa, o próximo também) essa velocidade cometeu um aparente “erro” que chega a parecer um tanto grotesco. Toda a mudança de Murphy foi muito extrema, o que gera certo desconforto. Eu particularmente fiz a mesma cara de choque que Connie quando ele puxou a arma e ameaçou o taxista. Enquanto Pablo é forçado a manter a calma dentro da sua prisão, Murphy parece ter abdicado de vez de todo e qualquer limite.


É claro que, no fim das contas, essa “queda” de Murphy, o transformar-se naquilo que ele tanto persegue, só parece chegar de maneira muito rápida porque, assim como a morte de Poison (outro fato que a série nos entregou logo no piloto e depois nos fez esquecer), Padilha garantiu esse fato fosse removido de nossa memória até o momento apropriado. Já tínhamos visto esse lado de Murphy outra vez, quando ele mostrou a Suaréz quem mandava, mas não esperava que ele fosse realmente repetir o “Yo soy tu patrón.”


Mas Escobar parece também não estar lidando muito bem com a prisão, afinal, a linha de mortos que Escobar entregou ao Cartel Cali como retaliação pela morte de Gustavo claramente ia – como acabou sendo – terminar em consequências violentas.


E já que estamos falando nele, a arrogância de Escobar, a eterna necessidade de respeito e superioridade foi talvez o maior inimigo dele. Evitar o confronto com o Cartel Cali poderia ter poupado a ele incontáveis recursos e rendido muito mais, considerando que ele tinha a superioridade na exportação. Subir o imposto de guerra também não ajudou muito. Enquanto ele ficava “gerindo” as coisas de seu castelo, insatisfação e ganância corroíam os subordinados e parceiros dele.


Nesse meio tempo, nos arredores de La Catedral, a retomada do momento buddy cops de Peña e Murphy foi excelente. Enquanto Pablo usava da criatividade – usar pombos-correios? #Respect – para tentar manter suas mensagens em segredo, Padilha nos presenteia com um dos melhores alívios cômicos da dupla de agentes. Connie ter percebido que a resposta era o caminhão também foi prá lá de hilário.


Já no Palácio Presidencial, Gavíria parece realmente ter sido quebrado pela guerra com Escobar. E embora ele não esteja errado em pensar no país – que decididamente sangrou (e muito!) durante o confronto – escolher o menor dos males não é garantia de estabilidade ou de resolução do problema.


A pressão está operando mudanças em todos os lugares, seja em Murphy ou na operação de Pablo. A revolta de Galeano e Moncada com o mal entendido que levou Pablo a os acusar realmente alterou – como a narração disse – em definitivo o curso das coisas, e nós fomos agraciados com um assassinato à la Game of Thrones.


Qual não foi a minha surpresa ao encontrar Navegante, o mesmo Navegante que traiu os Gacha, agora a serviço de Pacho e do Cartel Cali. Mais ainda, o acordo que ele propôs a Peña e Murphy. Também foi surpreendente rever o lado mais agressivo de Tata noutra dualidade feminina.


Como um todo, “La Catedral” é o perfeito episódio para a construção de uma Season Finale. Escobar fez uma jogada arriscada ao se livras de seus tenentes, e essa jogada terá um preço. Enquanto isso, nossos protagonistas, que recusaram, a princípio a oferta que poderia ter lhes concedido a vitória logo estarão numa situação muito mais complicada, enquanto todas as forças em jogo operam em direção a uma finale espetacular.


Isso é tudo pessoal! Espero todos vocês amanhã para discutirmos juntos “Despegue”, a Season Finale de Narcos.

Patreon de O Vértice