Crítica | Grey's Anatomy 11x23 - Time Stops

Verdade seja dita, o impossível se torna possível quando se trata de séries. Não, eu não estou falando de Flash.


Com a renovação mais que confirmada, Shonda inicia o seu plano de fazer com que Grey’s caminhe em direção a algo novo, a uma evolução. Com base nisso, “Time Stops” nos mostra, mais uma vez, que os flashbacks só servem mesmo para machucar o coração de fã e nos relembrar dos melhores momentos das temporadas anteriores. Um exemplo disso foi ver o Richard com os novos internos... Não há palavras que possam descrever a saudade que me deu ao lembrar do quinteto, Lizzie, Cristina, Mer, George e Karev. E por falar neles...


O que foi aquele bonitão que já chegou chegando? Tenho quase certeza que ele vai abalar as estruturas daquele hospital. Pelo menos, é o que ficou claro pra mim. Senti um climinha de leve com a Stephanie, mas é claro que isso pode expandir para outros horizontes. Não sei se teremos internos relevantes... Assim como das outras vezes, acredito que vão ficar mais como super coadjuvantes, apenas servindo como escravos da Stephanie. Mas o melhor não é vê-la dando uma de Dra. Bailey, e sim ver o Richard falar o mesmo discurso e a galera falar junto com ele. Awn, só amor por aqueles médicos <3.


Outra coisa muito interessante de ver e se questionar são as atitudes da Meridith e a revolta da Amelia. Ambas queriam o melhor para o Derek, mas a única que estava lá no hospital, quando o Derek veio a falecer, diante de tudo e tinha que tomar alguma atitude era a Mer. Eu até entendo a Amelia, e realmente ela tinha o direito de ser informada... não porque poderia mudar algo, mas para se despedir do irmão, como ela mesma queria. Só que isso é tão complicado! A Mer travou na hora, sem saber se o que estava fazendo era realmente o certo. As mágoas dificilmente serão superadas simplesmente com o tempo. Já se passou 1 ano e as coisas parecem que aconteceram há duas semanas (risos). Mas a questão é que ninguém pensa, quando está brigando com alguém, em entender o lado do outro. O ser humano só faz regredir em relação a isso e a gente só tem a ganhar, afinal, ver ambas discutindo e se segurando para se mostrarem fortes não tem preço.


Mas o show do episódio mesmo ficou por conta da April. A mulher perde o filho, vai pra guerra, volta mais homem que o Ben e só consegue realizar o impossível. Só isso. Ela conseguiu dar chance de sobrevivência a um cara que todo mundo já dava como caso perdido, devido às suas condições (empalado de forma inquestionavelmente dolorosa), e isso pode se dar muito em decorrência de tudo que ela passou nessa temporada. A questão é não aceitar a derrota e perceber que nem tudo está perdido. Vejo que ela só evoluiu, não só com pessoa, mas como médica. Fico muito orgulhosa dela só de pensar que, logo quando entrou, praticamente todos a odiavam e hoje ela se tornou uma das personagens mais queridas e de grande importância na série, já é motivo suficiente para se orgulhar!


Estou ansiosa para a season finale. Quero muito saber se o carinha sobrevive, como vai ficar a relação da Mer com a Amelia e se o Richard vai casar com a Catherine. Já anseio pelas respostas. E pela 12ª temporada, claro.


P.S.: Foi renovada sim, e se reclamar vai ser renovada pra sempre.


Fico por aqui e aguardo vocês na próxima. Bjão!

Patreon de O Vértice