Crítica | Brooklyn Nine-Nine 2x21/22 - Det. Dave Majors/The Chopper

Os problemas estão chegando na 99ª.


Depois de uma longa pausa, voltamos a conversar sobre Brooklyn Nine-Nine. Resolvi fazer um texto duplo para saber se o gancho deixado em “Det. Dave Majors”, sobre os sentimentos de Amy e Jake seria abordado no episódio seguinte, mas acabei sendo surpreso quando “The Chopper” apresentou o problema que será lidado na Season Finale.


Na primeira parte do nosso texto duplo, temos outro daqueles momentos em que Jake e Amy vão ser acompanhados por alguém que Jake simplesmente idolatra. Aconteceu na temporada passada com Jimi Brogan e seu livro, e desta vez, temos Jake com 9 tipos diferentes de movimentos de óculos para impressionar Dave Majors.


Tirando Gina – rainha – o episódio teve uma única outra sequência realmente engraçada, que foi a abertura. Não sei o que foi melhor: Rosa usando rosa, Amy perguntar se não era uma blusa branca coberta de sangue ou Boyle conseguir se auto-trollar. Quer dizer, para ser justo, Terry explodindo o colete acolchoado também foi pra lá de hilário.


Toda a trama da delegacia, sobre Terry deixar a 99ª teve uma sensação de “errado”. Mesmo com todas as coisas que foram apontadas, sem Terry, a 99ª teria bem menos momentos engraçados. E o choque de Gina, Holt e Boyle quando perceberam que Shaw tinha vindo recrutar Terry foi impagável. E Gina sendo simplesmente rainha com o “It’s about me!” e todo o resto dos esforços para impedir Terry de sair foi simplesmente hilário.


As cenas do speakeasy foram bem legais. Eu tenho um amigo que tem essa mania de não deixar você escolher o que vai beber. Ele simplesmente escolhe e acaba sendo o que nos gostamos. No caso de Jake, o refrigerante de laranja já é marca registrada.


Rosa sendo o elemento usado para retomar a discussão sobre os sentimentos de Jake por Amy foi perfeito. As tramas de Rosa com Jake sempre rendem algo legal, só Rosa mesmo para prestar atenção naquela coisa do cabelo que Amy faz.


A coisa de Jake mostrar o vídeo de uma ovelha berrando fazendo de conta que é uma mensagem de Holt é um clássico Peralta. E Amy revidar com a mesma pegadinha no final foi melhor ainda.


Confesso que essa historinha de Amy de “I don’t date cops”, especialmente quando está claro que ela gosta de Jake, não fez muito sentido. Espero que isso seja resolvido na Season Finale, porque já vimos esses dois relutarem com os sentimentos um pelo outro por duas temporadas! Casais no jardim de infância resolvem as coisas mais rápido hoje em dia!


Já em “The Chopper”, Holt e Gina dividiram os melhores momentos, enquanto os dilemas da paternidade continuam a perseguir Terry.


Gina já começou o episódio reinando. Toda a aposta para fazê-la tirar os olhos do celular foi impagável. Jogar um grampeador em Boyle, dançar – melhor – sem nem piscar, não saber quem é George W. Bush e só reagir quando Terry muda o status do relacionamento e se dá mal? #ClassicGina


Não entendi o motivo para se resgatar toda a inimizade Holt-Wunch tanto tempo depois. Esperava que Wunch tivesse um plano melhor do que promover Holt. Até entendo que ele prefere o trabalho policial que ele faz na 99ª, mas promoções são recusáveis. #SóAcho


Mas mostrar Holt não só se revoltando contra a burocracia, mas adotando um apelido estilo Jake – Velvet Thunder? #Aplausos – foi uma coisa que não esperava ver.


Para terminar, gostei muito de como cada um tinha um “ponto” forte para a trama da delegacia. Amy com o seu clássico puxa-saquismo, Gina rainha dos dramas adolescentes, Rosa e as imagens fortes. É bom reforçar o que faz cada um deles tão único.


Por hora é isso. Espero rever todos no próximo texto, e espero que Holt continue na 99ª, e é claro, que Jake e Amy se resolvam de uma vez. Au revoir!

Patreon de O Vértice