Primeiras Impressões | Daredevil

Simplesmente espetacular!


O dia que tanto esperávamos finalmente chegou! A Netflix liberou a primeira temporada de “Marvel’s Daredevil”, o primeiro passo para uma minissérie dos Defenders! Senhoras e senhores, uma excelente (e se você aceitar a minha teoria de que aquela abominação de antes jamais existiu, a primeira) aparição de Matt Murdock/Daredevil.


Não satisfeita em nos ter presenteado com tantas expectativas para o cinema, a Marvel resolveu que vai fazer das nossas vidas ainda mais feliz, e além das aventuras do Filho de Coul e sua turma (que, falando nisso, estão cada dia melhores! Confusas, mas melhores) vamos visitar uma Hell’s Kitchen (e óbvio, uma Nova York) pós-Avengers e nos aventurar numa parte do Universo Marvel que os fãs a muito desejavam conhecer.


Mas antes de comentar o piloto, intitulado "Into the Ring", preciso dizer mais uma vez o quanto estou feliz com a adaptação. Todos os que leram o Daredevil que Frank Miller nos apresentou sonharam com o dia em que veríamos o personagem adaptado de uma maneira digna. E por isso, antes de prosseguir, tenho que dizer que, se, assim como eu, você foi traumatizado por aquela lástima de 2003 – me recuso a intitular aquilo diretamente como “Daredevil” –, façam um favor a si mesmos: esqueçam aquela abominação! O Netflix apareceu mais uma vez para redimir a nossa memória e uma boa franquia. Dito isso, vamos aos detalhes.


Para começo de conversa, fomos apresentados à premissa básica: o momento em que o jovem Matt Murdock perde a visão. E como se a fotografia e trilha sonora fantásticas não fossem suficientes, a série nos mostrou isso com uma boa dose de "naturalidade". Afinal, é uma cena que você sabe que teria que aparecer, mas que podia acabar sendo apresentada da maneira errada (o que não foi o caso).


Ter toda uma construção de um Matt Murdock adulto, do início de suas atividades como advogado e como vigilante, antes de nos aprofundarmos no uso de flashbacks funcionou muito bem. Não estou desconsiderando o uso dos flashbacks. A cena em que ele tocou o rosto do pai e, num Easter Egg muito bom, leu um livro que não é em braile simplesmente passando os dedos nas letras enriqueceu e muito a trama.


A abertura e os diálogos também não deixaram a desejar. Toda a soturnidade dos cenários e o tom mais sombrio como um todo, que é peça chave para as HQ’s – não só do Daredevil, mas de outros personagens, como o Punisher –, funcionou e foi retratada de maneira muito boa. Me fez ter vontade de procurar os quadrinhos e ler de novo. Todo aquele mistério envolvendo o Rei do Crime e toda a real natureza sombria do Homem Sem Medo fizeram do piloto (e da série) algo para os fãs terem orgulho.


E para terminar, as cenas de luta foram muito boas. Bem filmadas e com uma trilha sonora muito boa. A luta na chuva é tudo o que eu esperava ver o Daredevil fazer. E como bônus, a cena do treino alternada com as muitas cenas do que está por vir são mais um incentivo para ver a temporada toda de uma vez (que foi o que eu acabei fazendo... hahaha).


MAS, vou rever cada episódio e escrever reviews sobre cada um deles, de modo que possamos explorar juntos esse novo sucesso da Marvel. Sendo assim, nos veremos algumas vezes mais nesses próximos dias. Então, até logo!

Patreon de O Vértice