Crítica | Scandal 4x18 – Honor Thy Father

Cara, cara... Não sei nem o que dizer vendo um episódio desses, ainda mais após assistir ao fraco de Elementary dessa semana. Essa série me deixa tão feliz! Scandal é aquele tipo perfeito de série que consegue conciliar os casos semanais (nem sempre divertidos), com várias histórias centrais de fundo acontecendo ao mesmo tempo. Tivemos a continuação (conturbada) do arco B613, tivemos andamentos na história da Mellie, tivemos continuação do estado mental da Olivia e, ainda, tivemos a volta do Papa Pope. Tudo isso em 40 minutos, junto com um caso semanal.




“White hats, Jake. We are the good guys.”



Sinceramente, achei que o David acabaria morrendo neste episódio, e meio que fiquei feliz com essa ideia. Tenho uma relação de amor e ódio por ele que eu não consigo explicar... Apesar de gostar do personagem na série, tenho vontade de socar a cara dele quando ele abre a boca. Admito que não aguento mais ouvi-lo falar de chapéus brancos, de heróis e de caras bonzinhos, quem dirá de justiça. Mas todo o arco em que ele esteve envolvido nesse episódio foi muito bem executado e pensado. Nunca que eu teria em mente aquela reviravolta do Jake no final do episódio. Acreditava fielmente que ele tinha se juntado ao lado negro da força e iria se tornar um vilão no restante da temporada, mesmo com todo o sentimento que ele tem pela Olivia. Como o Huck disse, e já vimos, quando algum agente é posto contra a parede, eles só colocam os dentes para fora e pulam para cima. Não esperava menos dele. E o que dizer da cena da luta do Jake e do Charlie? Muito bem escrita e disposta. Os detalhes que deixamos passar, mostrados depois quando Jake explicou tudo, foram a reviravolta perfeita para a introdução da volta do querido (ou não tanto) Papa Pope. Já volto a falar dele mais a frente.




“You shout... in your sleep.”



Nunca desconfiei desse cara, e ainda não sei qual é a dele, mas neste episódio conseguimos entender que ele não é exatamente quem ele diz que é, se é que ele já disse alguma coisa. Fiquei com uma pulga atrás da orelha quando ele disse que o nome dele não é realmente Russel e que sabia que o nome da Olivia não era Alex (por favor, né? Ela vive aparecendo na televisão), mas isso tudo passou logo depois... “Russel” apareceu do nada e o desenvolvimento dele com a Olivia não foi mostrado, o que me leva a acreditar que o relacionamento deles não passa da categoria sexual, mas, ao chegar com o Rowan na casa dela no final do episódio, consigo pensar em duas possibilidades. Ou ele sabia que a filha abriria a porta para o amante ou o cara trabalha para ele e está com a Olivia para reportar de volta. Em qualquer uma dessas opções podemos esperar que as coisas fiquem piores para ele daqui pra frente. Como ele foi mal apresentado e muito pouco aprofundado, imagino que deva morrer até o final da temporada. Que pena para a Olivia, que parecia estar curtindo seu sexo casual quieta na dela, sem machucar ninguém. Além disso, já imaginava que a Olivia fosse poliglota, mas que diabos de línguas são aquelas? Foram ditas 6 línguas, com exceção do inglês, e línguas nada comuns. Clap, clap, Olivia Pope.




“I pointed the gun at his chest and shot him twice. Maybe three times.”



Comecei a desconfiar que o pai do Congressista fosse realmente inocente quando vi esse depoimento dele. Alguém que mata um homem (pedófilo) que fez a sua filha cometer suicídio não deve esquecer quantas vezes atirou. Não imaginava, porém, que ele falava isso para acobertar o próprio filho. A forma como essa descoberta foi feita durante o episódio foi muito interessante e admito que eu não pensaria tão bem quanto a Olivia pensou. Acreditaria de cara que a mulher do professor teria o matado e encenado tudo. Aquelas observações sobre a arma nunca passariam pela minha cabeça, mas, também, nunca segurei uma arma. Adorei o fato de que a própria Olivia não acreditava que poderia fazer algo pelo caso, mas acabou resolvendo e salvando um homem de uma morte injusta.




“You’re gonna make us look bad, aren’t you?” “I hope so.”



Nada como ver Olivia Pope e Abby Whelan fofocando no telefone como se fossem adolescentes. Ao ver que Olivia realmente tinha aceitado o caso, achei que acompanharíamos outro embate direto entre Olivia Pope e a Casa Branca, por causa do envolvimento que Fitz teve ao negar ajuda ao congressista. Mas gostei de não ter acontecido isso, porque, assim, tivemos um episódio no qual a Olivia e o Fitz nem se viram. Espero que o que eu disse no episódio passado se mantenha, e a suposta reaproximação dos dois seja meramente superficial. Olivia continuou usando o anel nesse episódio, e isso não é um bom sinal, mas só podemos esperar para ver onde isso vai dar.


Gostei das duas conversando sobre o Cyrus e o que ele pensa de tudo que está acontecendo com a Mellie. Não esperava que ele fosse contra a candidatura dela, já que o Fitz não pode ser presidente para sempre, mas ele realmente a quer fora do caminho, acho que por não respeitar a Mellie como pessoa e vê-la somente como objeto de candidatura para a presidência do Fitz.




“And the books are clean.” .... “She is Fifty Shades of Angry.”



Falando na Mellie, a aparição da irmã dela foi sensacional! Por saber que a Mellie era do sul, sempre quis ver um pouco mais desse lado dela sendo explorado, porque o pessoal de lá tem uma fama de ser mais explosivo. Devo dizer que fiquei muito feliz com a forma que isso foi feito. Mostrar a briga das duas, o rancor e a forma como elas se olhavam e discutiam, enquanto o Fitz não sabia o que fazer, foi como ver duas crianças brigando por um brinquedo. Mas melhor do que isso foi vê-la falando para o Fitz o que ele deveria ter feito e ele, como bom cachorrinho, ter acatado e ido acalmar Harmony. Ao mesmo tempo gostei de ele ter dado um toque nela de que a presidência não é toda a maravilha que todo mundo imagina que é, dando a entender que nem sempre ele pode fazer o que quer, quando quer. Mais uma vez, digo que Mellie tem de tudo para ser a melhor presidente que o universo de Scandal já viu.




“We are the good guys. But you won’t always be able to tell.”



A reviravolta que aconteceu no final deste episódio foi simplesmente perfeita! A revelação de que a Olivia sabia que todo mundo estava indo atrás do B613 e o discurso que ela fez para o Huck sobre eles continuarem juntos, a bomba que foi o Jake dizendo que ele estava, na verdade, do lado deles, provavelmente protegendo a Olivia, e o fato de que a assistente do Rosen era, na verdade, uma agente do B613 fecharam deixando um gancho perfeito para o próximo episódio. Acho que aqui tivemos o pontapé inicial para o final da temporada. Mas nada disso supera a volta do nosso querido Papa Pope.




“Hello, Olivia.”



Eu já esperava que ele fosse acabar voltando quando a merda atingisse o ventilador, e ele ter voltado antes disso demonstra que a nossa turminha do barulho está indo pelo caminho certo para derrubá-lo. O problema começa aí. Ele voltou. E como o Jake disse, e eu tinha comentado no episódio em que a Olivia iria entregá-lo e os agentes do FBI acabaram todos mortos, daqui pra frente é guerra. E isso vai ser muito bom. Mais uma vez, Pope War is coming.


Nos vemos na semana que vem. (:

Patreon de O Vértice