Crítica | iZombie 1x02 – Brother, Can You Spare a Brain?

Mais um ótimo episódio, mais um bom caso, mais risadas fáceis.


Foi assim que vi esse segundo episódio de iZombie: ótimo! Com muitas cenas engraçadas, um bom caso e o adicionamento do personagem que transformou a Liv em uma morta-viva.


O caso da semana trouxe como vítima um pintor que tinha um jeito distinto de se envolver com suas musas inspiradoras. Em palavras mais fáceis, o cara era um paquerador. E ao que notamos no decorrer do episódio, a esposa sabia disso. O que nem sequer chega a nos surpreender, estou certa? Sabemos que artistas tendem a ser mais liberais com seus relacionamentos, que não acreditam em monogamia, enfim...


O fato é que mataram o pobre pintor. E coube a Liv utilizar seus "poderes psíquicos" para ajudar o colega detetive nas investigações. O que Babineaux não esperava era ver como a jovem zumbi iria se comportar frente aos suspeitos. Depois de comer pedaços do cérebro da vítima, Liv adquiriu algumas de suas características, no caso, sua visão crítica sobre arte, alguma habilidade com música e, para nosso deleito, sua arte de flertar.


Para mim, vê-la jogando olhares calientes para os suspeitos foi o ponto alto do episódio. Mas digo isso sem desmerecer outro ponto (ou melhor, personagem) importante que o episódio também nos trouxe: o zumbi que arranhou a Liv na festa. O nome do culpado por sua morte é Blaine. Um cara que tentou vender a droga que causou todo o tumulto e confusão e acabou por resultar num apocalipse zumbi.


Blaine é intrigante. Chegou no episódio todo manso, parecia inocente, demonstrando surpresa ao saber que fora ele o culpado pela transformação da Liv. Mas o cara não me enganou. Primeiro porque ele ainda continua com o aspecto cínico do John Gilbert (seu papel em The Vampire Diaries). A sensação imediata que se tem é a de que o cara vai aprontar uma. E não deu outra!


Era óbvio que, sabendo que a Liv trabalha no necrotério e possui acesso fácil a cérebros de uma maneira bem limpa e sem chamar atenção, ele acabaria por querer tirar proveito disso. Imagino que, se ela não tivesse concordado em lhe fornecer alimento, ele viria com uma chantagem do tipo "vou expor você ao mundo" ou até "vou transformar todos que você ama".


Entretanto, após o caso ter sido solucionado com uma ajudinha precisa do Ravi, tiramos toda e qualquer dúvida sobre o Blaine ser mansinho ou não. Ele se mostrou um bom trapaceiro e um traficante de drogas. Uma nova droga, pelo que deu a entender em seu plano: cérebros. Imagino o problemão que isso se tornará para Liv. Ela vai ter que lidar com ele sozinha, a meu ver, já que não poderá abrir o jogo para Babineaux.


Outro ponto importante de mencionar foi a recaída (ou seria um abrir de olhos retardatário?) da Liv com o Mayor. Ao pensar que deveria continuar vivendo sua vida mesmo sendo uma zumbi, ela resolveu ir atrás do ex-noivo e buscar uma espécie de reconciliação. Mas, como vimos, não foi bem recebida. É até compreensível, devo dizer. O rapaz levou um pé na bunda de repente e, quando parecia estar aceitando a situação, acontece isso?! Não é fácil (mesmo com tudo o que aconteceu com ela também).


Mas, vamos continuar acompanhando para saber como serão desenroladas essas histórias.

Patreon de O Vértice