Crítica | Forever 1x19 – Punk is Dead


“We can’t forget to grow”



Mais um episódio de “Forever” chegou e, com ele, mais uma de nossas conversar.


Tenho que começar dizendo que, como até agora a série não foi renovada, há uma chance considerável de que só nos restem três outros episódios, o que muito me entristece, já que a série ainda tem tanto para mostrar. Mas, enquanto ainda temos tempo para torcer e para debater o que aconteceu, eu sugiro que o aproveitemos!


Então, vamos aos fatos:


Como sempre, acertaram o tom dos flashbacks no episódio. Não só acharam o doppelgänger” perfeito para Abe. O casting da série continua a acertar.


Gostei muito de ter mais uma trama envolvendo música. “Punk is Dead” me lembrou que a série em si tem uma certa musicalidade e que, assim como em “6 A.M” (o episódio que contou com um bom jazz como trama foi um dos melhores da primeira metade da temporada), a série pode repetir esse efeito com outros estilos musicais. É claro que um Trash Bar talvez não fosse a minha escolha para um primeiro encontro – segundo, dependendo de se você conta ou não o que aconteceu no episódio passado –, mas vai saber?! Jo indo ao Trash Bar quando ela era nova foi uma surpresa que eu não esperava! Na verdade, Jo tem estado cheia de surpresas. “Can I be a cop again?” foi uma das melhores quotes da personagem.


Lucas continua não perdendo a oportunidade ser o alívio cômico em todas as situações, embora as insinuações dele para Jo tenham sido um tanto mais... “estranhas” de se ver, especialmente agora que ela está saindo com Cuba Gooding Jr. Ir para uma boate com Henry decididamente foi uma das coisas mais inusitadas que o personagem poderia fazer. E embora isso tenha tirado o espaço de Hanson como alívio cômico, imaginá-lo numa banda e vê-lo cantar foi decididamente hilário.


O caso me surpreendeu. Não é todo dia que o homem cumprindo a sentença pelo crime tem a oportunidade de se envolver na solução do crime, especialmente da maneira como aconteceu aqui. O final foi um pouco... “diferente” do que o que eu esperava, mas funcionou mesmo assim. Reece ter sido patrulheira no caso original foi uma forma eficiente de “puxar” a personagem para o episódio. Acabou que eu gosto mais da personagem do que tinha me dado conta.


E para terminar, acho que falo por todos quando digo que, mesmo sendo provável que ela não esteja viva, estou morrendo de curiosidade para saber o que aconteceu com Abigail. Descobrir que Abe guardou toda aquela pesquisa foi chocante de uma forma completamente nova. Mal posso esperar para descobrir o que acontecerá em seguida! Então, até a próxima!

Patreon de O Vértice