Crítica | Daredevil 1x06 – Condemned


“I want everyone in Hell’s Kitchen to see what’s about to happen”



Chegou a hora de conversarmos sobre mais um episódio de Daredevil. E continuando de onde paramos, “Condemned” chega como um dos episódios mais críticos até aqui. Afinal, não só temos a resolução do cliffhanger do episódio passado, como também temos mais provas de que a polícia em peso pertence ao Rei do Crime, sem contar com sequências espetaculares e novas reviravoltas na trama.


Antes de partirmos para as discussões sobre a trama em si, quero destacar dois pontos. Primeiro, fico feliz em lembrar que já podemos comemorar, agora que a Marvel e o Netflix confirmaram oficialmente uma segunda temporada de Daredevil para 2016. Segundo, e essa é um pouquinho mais antiga, mas será o gancho para entrar nos detalhes sobre a trama: A Marvel já havia anunciado a possibilidade de levar os personagens de suas séries para a parte Cinematográfica de seu Universo. E tenho que dizer: depois deste episódio, quaisquer dúvidas sobre o Demolidor ser um dos melhores personagens que a Marvel poderia colocar na TV acabaram. Mas agora vamos aos detalhes do episódio.


Gostei muito do primeiro contato entre Matt e Fisk. Nosso Homem Sem Medo é, acima de tudo, um ser humano, cheio de falhas, dúvidas, julgamentos morais e que enfrenta dificuldades como qualquer um de nós. Talvez por isso seja tão fácil sentir empatia pelo personagem, pelo menos da maneira como a série o está retratando. Ele é, acima de tudo, humano. Já vimos isso antes, no segundo episódio. E como se aquilo não bastasse, Guy Ferland e sua direção simplesmente brilhante garantiram que o antagonismo entre Matt e Fisk fosse muito além de questões filosóficas. Até mesmo os lados do plano em que ambos aparecem são opostos.


Outra coisa que não pode passar sem ser mencionada. Acredito que em todos os textos eu menciono o quanto acho a fotografia da série. E embora isso tenha levado a mais de uma discussão na minha turma, eu defendo as largas doses de escuridão presentes nos quadros da série. Esta não é uma escuridão qualquer, ela oprime, e geralmente chega como um aviso de uma cena importante está para acontecer.


Gostei de ver a violência e a corrupção muito mais ao estilo da “máfia”. Eliminando testemunhas, gerenciando os riscos que surgiram depois do “golpe”. As preocupações de Fisk com a reação de Madame Gao são indicativos – prometo que, mesmo já tendo visto algumas vezes a temporada, não vou estragar a ordem das surpresas da história – de que devemos prestar atenção nela.


Ainda no departamento de possibilidades e Easter Eggs, gostei de ver Ben Urich organizando seu quadro de suspeitos. Cartas de baralho renderam mais de uma surpresa neste episódio, e se você pensar bem, o título “Kingpin”, pelo menos para o universo da série, pode sair daí. E ainda no departamento referências com o baralho, há sempre a chance de que o atirador do telhado, que matou os policiais, seja uma versão do Bullseye – que sofreu mais do que o próprio Demolidor, tendo ficado nas mãos de Colin Farrell naquela abominação de 2003 – já que junto ao equipamento do sniper, havia uma carta de baralho, outra marca registrada do Mercenário.


Gostei de como Claire, Foggy e Karen acabaram aparecendo todos juntos. Afinal, o nosso “herói” passou todo o episódio num prédio, então podia não ter sobrado tempo para nos mostrar o que aconteceu com todos os outros.


E para terminar, não poderia deixar de falar sobre Vladmir. O último dos Russos da trama foi muito além do que eu esperava. Apesar de tudo, ele acabou por entregaar a Matt o próximo nome em sua lista, e fez isso em meio a brigas, sequências espetaculares e reflexões que o fizeram mais uma voz de consciência na jornada do “herói” de Matt. E sem contar que, quando a hora dele chegou, ele partiu com toda a dignidade que ele poderia querer, lutando até o fim de suas forças.


Bom, por hora é isso. Não vou falar do WHiH World News, porque esse Easter Egg já é velho pra quem acompanha a Marvel. O episódio serve como um divisor, já que agora que o problema com os Russos foi resolvido e Matt tem novas informações e objetivos, a jornadas vai ficar ainda mais eletrizante. Então, fiquem ligados, e até a próxima!

Patreon de O Vértice