Crítica | Scandal 4x17 – Put a Ring on It


“Separation of Church and State, Leo.”



Mais uma vez, começo o texto falando da Abby. As circunstâncias e o roteiro bem trabalhado de Scandal sempre permitem que voltemos no tempo e uma história que muitos devem ter esquecido seja finalizada. Eu, por exemplo, tinha me esquecido totalmente desse plot todo do casamento do Cyrus. A forma com a qual o roteiro é contruído, sempre juntando fatos novos com fatos já apresentados há muito, é uma das coisas que fazem Scandal uma das melhores séries na minha grade. Essa semana, isso permitiu que a Abby voltasse a ter uma interação maior com as pessoas que ela trabalhava antigamente. Sendo um caso de um amigo, Olivia abriu mão e voltou a pisar na Casa Branca, o que eu acho que ainda vai render bastante, e ver Abby e ela dividindo as atenções foi sensacional. Ponto negativo pra Abby, que começou o episódio dizendo que não misturaria o seu trabalho e o relacionamento com o Leo, mas acabou fazendo isso. Foi até bom, que vimos um pouco da Sally, que andava muito sumida.




“A gay republican White House wedding?”



GENIAL a jogada da Liv de esquecer que o Fitz existe e ir apelar pro lado ambicioso da Mellie. Ela tinha sido jogada para escanteio desde que resolveu que iria concorrer à presidência, mas, com a volta da Portia e o decorrer desse episódio, parece que veremos mais de Mellie por aqui. Dessa forma, ela acabou dando sua opinião em um assunto muito polêmico, saindo na frente do marido, atual presidente, abrindo portas e ganhando futuros votos de uma população muito importante nos Estados Unidos. O cenário político da Mellie vem se montando aos poucos, com ações sutis, mas parece que ela vai ter uma base forte para poder concorrer e realmente ganhar, sem ter que fraudar a eleição.




“I cannot tell the difference between you and Mother Teresa.”



O Cyrus estava simplesmente perfeito neste episódio. Ri demais com as cenas dele nas discussões do casamento e nas reuniões para consertar o que aconteceu. A todo momento, pensei que ele teria um ataque, um AVC, um derrame, ou mataria alguém. Não consigo pensar em outra reação para ele, tendo em vista o personagem montado nessas 4 temporadas. Algo que me surpreendeu demais foi ver os flashbacks dos outros casamentos dele e perceber que o Cyrus tem um coração maior do que demonstra. As atitudes demonstradas e a forma que ele olhava pro Michael durante o episódio foram um toque muito importante nisso. Cyrus, que parecia ser o monstro que só pensa nele e em resolver problemas, nos provou que tem um coração e consegue ter compaixão pelo próximo, sem esperar nada em retorno. Achei interessante a série retratar também o que é a homofobia, e que isso não acaba quando as pessoas fazem 18 ou 20 anos e saem da casa dos pais. Por mais que a série sempre exponha circunstancias nas quais a comunidade gay está envolvida, por ser uma série política, ela ainda não tinha falado sobre essa aproximação do assunto quando a família está envolvida (com exceção do finado marido da Sally, acredito eu).




“You wish you were me, but you can't be me.”



Muita pena da Elizabeth na cena em que estava inserida a fala acima. Uma pessoa que estava somente fazendo seu trabalho, se preocupando com o futuro político do seu candidato, completamente humilhado da forma como a Mellie fez. Foi muito bom ver a Mellie demonstrando que ainda tem o que precisa para ser presidente (mais uma vez demonstrando ter mais que o Fitz, que só sabe gritar), mas, por gostar tanto da Liz, fiquei meio mal quando a cena terminou. Espero que elas se acertem e isso não gere a saída da Portia da série.




“Doux Bebe.”



E não acredito que vão começar a empurrar Olitz de volta. Estava tudo tão bem, Olivia na dela, ele na dele... mas, nãaaaao, eles tem que empurrar esse ship que ninguém aguenta mais. Essa história do anel fez muito sentido nesse episódio. Não lembro se já tinham falado disso antes, mas fiquei meio sem entender quando, no outro episódio, a Olivia jogou o anel no Fitz. Com a explicação dada aqui, tudo ficou claro: a cena se tratava de ela colocando o pé no chão e dizendo que dali pra frente tinha acabado de vez. Até aí, tudo bem, ela achou o anel e guardou, encontrou com o Fitz sem o usá-lo. Pensei o quê? Que ótimo, ela está sensata. Até que surge Olivia usando o anel... De verdade, quis dar um tiro na cara dela. O olhar que os dois trocaram foi só um indicio de que ainda existe esperança entre os dois e de que eu vou sofrer vendo os dois juntos daqui pra frente. Não que eu queira a Olivia com o Jake, só não aguento vê-la com o cara-de-cachorro-molhado.


Acredito que Olivia esteja assim meio perdida no tempo ainda por causa do sequestro. Os sonhos que ela vem tendo demonstram que ela ainda não superou tudo aquilo, e espero que essa reaproximação repentina com o Fitz seja só um efeito colateral disso. No aguardo para a Olivia voltar ao seu centro e mandar o Fitz pra Vermont sozinho.


Para finalizar, senti falta da trama do B613, que não parece ter acabado ainda, e do Jake, que simplesmente não apareceu no episódio inteiro, se não me engano...


Menção honrosa: “Okay, then.” O que foi a Mellie debochando da Olivia? HAHAHA

Patreon de O Vértice