Crítica | Better Call Saul 1x05 – Alpine Shepherd Boy

Bizarrices e bom humor marcam quinto episódio da série.


Sem nenhuma dúvida, a marca registrada deixada por Saul Goodman em Breaking Bad foi seu carisma e humor, que servia de contraponto com o tom dramático que a história principal da série transmitia. Na medida em que BB chegava ao seu final, o universo daqueles personagens ficava cada vez mais obscuro, abraçando de vez o desfecho inevitável de seu protagonista. Mas esqueça disso em Better Caul Sall. Estamos em "Alpine Shepherd Boy", quinto episódio da primeira temporada, e estou me divertindo cada vez mais com o teor cômico da série.


Aliás, a bizarrice tomou conta deste capítulo. Tivemos mais uma vez a oportunidade de estar na pele de Chuck para acompanhar seu distúrbio em diversos momentos. A sequência dos fatos que ocorreram no último episódio, onde o ex-advogado tinha acabado de roubar um jornal de seu vizinho e estava com policiais na porta de sua casa, culminou na primeira cena deste capítulo, com os policiais arrombando a porta e Chuck tendo um colapso.


E pra você que tem uma boa porção de terra autossustentável, que inclui energia solar e poços, que não aguenta mais a opressão das regras do mercado de seu país, com impostos e exigências do Ministério do Trabalho, mas que acredita nos ideais da liberdade, e espera conseguir independência: chame Jimmy McGill. “Seremos o Vaticano dos Estados Unidos”, disse seu estranho cliente. Mas só um detalhe: o pagamento será feito em dinheiro vivo, com as novas notas deste novo país.


Você acabou de ter a ideia da sua vida com a invenção de um importante produto para o mercado, e ele não pode de maneira nenhuma cair nas mãos das grandes corporações antes de ser patenteado. Sua engenhoca revolucionária foi feita para crianças utilizarem o vaso sanitário, com frases motivadoras para aquele momento em que seu filho mais precisa. “Nossa, esse é grande. Tão grande!”. Você teve uma ideia parecida? Então não perca tempo e chame Jimmy McGill!


Pois é, eu disse que a bizarrice tomou conta deste capítulo. Mas pra finalizar o dia de clientes excêntricos, McGill atendeu uma simpática senhora que o fez perceber que ele precisava se especializar em algum ramo. Sua busca por uma identidade própria continua, e vale tudo, até copiar roupas de personagens de antigos seriados. Sua obsessão por Howard parece que está aos poucos acabando.


Este episódio mergulhou de vez o personagem principal em seu próprio mundo. Jimmy está em busca da própria identidade, mas enquanto isso não acontece, ele faz o possível para chegar lá. Ele também entrou novamente briga contra Howard Hamlin, e não tenho dúvidas de que seu irmão será internado. Não que isto não seja o certo a se fazer, mas ele certamente fará pelas causas erradas. Mike agora terá participações ativas na série, e o final deste episódio introduziu essa ideia. O que seu velho conhecido está fazendo na porta de sua casa? Dúvida para o próximo episódio. Até mais!

Patreon de O Vértice