Sobre o pseudointelectual na Cultura Pop

Nos meus 15 anos eu decidi que, assim como todos os adolescentes da história do tempo e do universo, eu queria ser diferente de todos os outros adolescentes, o que não é muito original convenhamos, nem a forma que eu decidi fazer isso; eu decidi virar um intelectual e com meu excesso de tempo livre na época eu comecei a ler, ler muito, eu acredito que li 80% da literatura Clássica Russa, li Proust, li Melville, li Voltaire, li Kafka, li Nabokov e uma infinidade de outros autores ditos intelectuais e adorei a maioria, mas um dia eu li o livro de um certo alemão triste, Além do Bem e do Mal de Nietzsche e pensei “nossa, que coisa mais pseudointelectual, esses pensamentos não são novidades para mim desde que eu tinha 12 anos”.


Nossa, eu sou muito inteligente mesmo não é? Se eu achei Nietzsche pseudointelectual e já sabia tudo que ele disse desde os 12 anos, certo? Errado, sabe por quê? Um belo dia alguns anos depois eu assisti um filme chamado Dogville, de um dinamarquês provavelmente tão triste quanto o alemão, chamado Lars Von Trier e eu achei a maior obra da história do cinema, diversos conceitos apresentados em Dogville me eram novos, a ideia da filosofia do estoicismo, por exemplo, somadas a direção estilizada disfarçada de sem estilo de Von Trier são noções que me impressionaram bastante. Dogville certamente é o melhor filme já feito, certo? Foi aí que eu li um dia alguém dizendo que Dogville era superestimado e pseudointelectual, isso me deixou chocado e verdadeiramente ofendido, mas essa opinião não é a maioria, mas está distante de ser uma opinião de uma pequena parcela também. Diria que dos 100% das pessoas que assistiram Dogville (e entenderam o filme), uns 40% delas acharam o filme uma bobagem e uma “masturbação mental”, mas eu em toda a minha inteligência suprema achei o filme genial, brilhante, sensacional e uma miríade de outros adjetivos que críticos gostam de usar para filmes.


Mas é claro que eu estou certo, né? Afinal, eu sou eu e eu não conhecia nada daquilo que me foi apresentado no filme, são conceitos novos, profundos e empolgantes numa história visceral... uma pena que eu não sei logaritmo e um professor de matemática me acha um verdadeiro imbecil por isso, eu tenho certeza que minha professora de matemática do segundo ano me achava retardado porque eu jamais consegui conceber como aquela droga de conta funcionava, mas hei, aposto que ela nunca viu Dogville e nem leu Nietzsche, mas isso provavelmente não é grande coisa pra ela.


O meu ponto com isso é, porque diabos as pessoas acham estar corretas sobre algo no qual é impossível estar correto? Eu pretendo voltar para outros pontos de conhecimento antes de terminar o texto para ilustrar outro exemplo, mas vamos falar de cultura pop, já que é o tema do site e o motivo de me fazer escrever esse texto, vamos falar mais especificamente de cinema para ilustrar o geral. Cinema é uma forma de arte, acho que podemos concordar até aí, certo? Com exceção de alguns filmes que não tem nenhuma intenção de ser arte, tipo Transformers, qualquer filme pode ser considerado uma obra de arte, até Crepúsculo já que por mais que eu ache essa uma péssima obra de arte, o filme é uma, nem que seja por definição da palavra. Artes usam técnicas, mas ainda são arte no final e sabe o que uma arte não é? Arte não é ciência, arte não é matemática, o que significa que você NÃO ESTÁ CERTO JAMAIS sobre ela, tudo o que você tem sobre ela é uma OPINIÃO! Pode ser uma opinião embasada e profunda, mas no final é só uma opinião.


nightcrawler_abutre_lully-de-verdade_02


Eu tenho um amigo que particularmente me perturba sobre a forma como ele encara o cinema, ele faz faculdade de cinema e ele, seguindo parâmetros loucos exclusivamente da cabeça dele, trata o cinema como matemática. Um exemplo? Estava eu discutindo no Facebook quem merecia ganhar o Globo de Ouro de Melhor Ator esse ano, e daí vários amigos e eu trocamos ideias sobre quem era “o melhor ator”, mas obviamente não existe “melhor” e sim nosso “favorito”, embora nunca se diga isso numa conversa, é uma conclusão comum entre as pessoas civilizadas, mas esse meu amigo simplesmente fez um comentário qualquer e eu o questionei sobre “Qual é o seu favorito?” e a resposta dele foi simples “eu não tenho favoritos, mas o melhor de longe é Jake Gyllenhaal por O Abutre.” E eu pensei: “como diabos esse não é o favorito dele, mas é o melhor?”. Como eu já disse antes, esse meu amigo trata cinema como matemática, 2+2=5 é uma resposta errada, ator fez a expressão X em cena Y é uma resposta errada, Nolan não centralizou sua câmera em uma cena especifica de A Origem é uma resposta errada e por consequência o filme é um lixo.


E você sabe o que acontece com quem não concordar certo? É um pseudointelectual que acha que conhece cinema, mas obviamente não sabe nada sobre a técnica que Godard usava, ou as razões que Hitchcock teria para centralizar uma câmera em uma cena de tal estilo. Sabe que tipo de discussão pode ser feita assim? Evolução contra Criacionismo, já que há ciência por traz de um e sei lá... magia por traz de outro. Ciência é falseável e se você não sabe o que é falseável e falseabilidade (seu pseudointelectual) assista a esse vídeo do Pirula AQUI que ele explica melhor do que eu conseguiria (imediatamente depois de assistir você vai deixar de ser pseudointelectual, é fácil assim).


Se você está falando de ciência sim, existe certo e errado, se você está falando de matemática existe certo e errado, se você está falando de cinema e arte em geral NÃO EXISTE (palavrão que começa com C)!!!


Não existe uma tabela que possa medir porque Jake Gyllenhaal é “melhor de longe” que os outros atores, não há como medir isso, também não há como medir que Dogville é pseudointelectual, assim como eu não percebia na minha adolescência estúpida que não dava pra medir que Nietzsche é pseudointelectual e eu nem quero debater se filosofia é arte, mas certamente não é ciência, tudo isso são apenas experiências suas e unicamente suas e não importa o quanto você se agarre a ideia de que você sabe mais do que alguém sobre arte e talvez você saiba, nem por isso sua opinião é mais do que uma opinião e jamais será.


Sabe o Quentin Tarantino? Comumente tido como gênio entre a maioria dos cinéfilos? Pois é, é um baita pseudointelectual já que ele gostou, gostou não, adorou o terrível filme “Cavaleiro Solitário” com Johnny Depp enquanto todas as pessoas que entendem de cinema odiaram. Aproveitando que eu falei do Pirula, ele provavelmente nunca assistiu Cidadão Kane e dezenas de outros clássicos do cinema e talvez nunca tenha lido Proust, ele certamente é um pseudointelectual, um verdadeiro idiota, apesar de fazer vídeos brilhantes, saber tudo sobre paleontologia e ser doutor em biologia, que carinha mais pseudointelectual aquele lá, só espero nunca debater ciência com ele, porque sabe, eu seria massacrado...


1401x788-Screen-Shot-2015-01-08-at-8.56.37-AM


Saindo um pouco do cinema, recentemente a nossa redatora aficionada por música, Karina Rivelli me apresentou a Sia através do clipe polêmico de Elastic Heart com a Maddie Ziegler e o Shia Labeouf dançando loucamente. Eu particularmente não ouço mais música, a banda nova que eu mais gosto é o Arctic Monkeys e eles já não são novos há seis anos. Mas eu gostei da Sia por mais incrível que pareça, mas uma coisa me fez pensar um pouco sobre a música dela, as letras delas dão a impressão de ser profundas e ao mesmo tempo elas são um pouco rasas, eu realmente não sei o que pensar das letras dela, mas gosto ainda assim. Foi aí que eu fui ler os comentários de Youtube de um clipe dele e DEZENAS de pessoas criticavam, se é que criticar é o termo correto para o que as pessoas fazem no Youtube, sobre o fato dela ser uma cantora pseudointelectual que faz músicas e uma teatralidade para dar um tom de profundidade à obra rasa dela e eu pensei “é isso aí mesmo”, mas aí, entre as dezenas de comentários criticando a cantora, tem CENTENAS de comentários de jovens, a maioria femininas, mas não exclusivamente, com comentários verdadeiramente emocionados sobre as canções em questão, com interpretações lindas sobre as letras de suas músicas e tudo o mais e daí temos duas opções, ou tem muito pseudointelectual por aí que gosta da Sia, ou ela realmente faz coisas profundas, mas não me atingiu como atingiu outras pessoas.


Essas pessoas não são imbecis por terem sido atingidas em cheio pela obra da Sia só porque eu não fui, ou porque você não foi, você não é o centro do universo e por mais que eu as vezes haja como se eu fosse, eu também não sou, a verdade sobre a arte não é minha e a menos que a Sia vá em julgamento com advogado de acusação e defesa, júri, juiz e tudo que há de direito com a acusação provando que ela propositalmente ela escreve baboseiras que tem o intuito de apenas soar profundas, mas que na verdade são assumidamente baboseiras, a Sia pra mim já é um gênio da música, e sim... eu não entendo nada de música, e eu não preciso entender pra achar isso, eu provavelmente estou errado, mas sabe você que entende tudo de musica, você também pode estar.


Nos comentários do próprio O Vértice eu já vi acusações sobre todos que amaram Os Vingadores (comigo incluso)serem pseudointelectuais que gostaram de um filme infantil, eu particularmente ouvi isso porque fiz uma lista sobre os melhores filmes de quadrinhos de todos os tempos (que você pode ler AQUI) e coloquei Batman – O Cavaleiro das Trevas, um filme adulto, em 2° lugar enquanto coloquei Os Vingadores, um filme “infantil”, em 1° lugar.


url


Pra começar, Os Vingadores não é um filme infantil, tecnicamente Os Vingadores é um filme para todas as idades, incluindo crianças. Mas ainda que fosse um filme infantil, eu conheço dezenas de obras infantis que são melhores que obras para adultos. Neil Gaiman escreve diversas coisas geniais para crianças. Alguém aí já leu Dr. Seuss? Acho que todo mundo já viu Chaves, certo? O que é melhor, Chaves, uma comédia para crianças ou algum filme recente do Adam Sandler que tecnicamente é para adultos? Eu estou bem certo que Adam Sandler sabe que o que ele faz não é arte, mas talvez na cabeça dele seja e ele não estaria errado se fosse o caso, então eu não vou perguntar qual é o melhor, e sim qual você gosta mais?


Outro comentário que particularmente me irrita um pouco é sobre aqueles que dizem que quem vota no Oscar não entende nada de cinema. Quem entende então? Você que comenta isso, é claro. Não estou afirmando que os votantes da academia realmente entendam, mas eles são um grupo que forma uma opinião importante (você discordando ou não é uma opinião importante) sobre uma arte que eles ajudam a criar há anos, e isso não faz a opinião deles a correta, mas certamente faz a opinião deles digna de respeito. E sabe do que mais, esse pessoalzinho do Oscar nem incluiu o Jake Gyllenhaal entre os 5 melhores do ano, claramente eles fizeram a soma errada e usaram técnicas de medição científicas diferente já que não viram que ele foi “de longe o melhor” do ano. Mas bem, ao menos no Oscar eles admitem não ser donos da verdade já que lá há uma votação, já meu amigo e metade das pessoas que comentam no Youtube tem a mais absoluta certeza dentro do seu ser que eles são o dono da verdade.


Enfim, esse enorme e longo post foi porque eu me sinto responsável falando para uma parcela mediana de pessoas que amam cinema, séries e games no Brasil, em dizer que você precisa pensar antes de acusar alguém que gosta de algo de ser pseudointelectual, pare e pense que talvez aquilo só não tenha sido bom ou “intelectual” para você, assim como a filosofia de Nietzsche pareceu trivial e óbvia pra mim, Voltaire me pareceu algo a anos luz da minha inteligência, Lars von Trier é um babaca, mas eu realmente acho seus filmes  brilhantes e pra você Nietzsche pode ser um gênio e Lars von Trier só um babaca com uma câmera e bem, no caso de Von Trier nós concordamos em uma parte, mas não significa que para um de nós ser inteligente, nós temos que concordar em tudo.

Patreon de O Vértice