Scandal 4x11 – Where’s the Black Lady?


“Who’s the puppet now?”



Em um episódio cheio de reviravoltas e mudanças de perspectivas, só temos uma certeza: Shonda Rhimes é um gênio.


Na minha última review, eu disse que estava gostando do clima de vulnerabilidade que a Olivia estava vivenciando na volta da quarta temporada, mas, vendo o episódio desta semana, percebi que, por mais que estivesse sendo interessante e diferente, o que queremos ver mesmo é a Olivia apresentada aqui.


Senti que tudo nesse episódio foi orquestrado da melhor maneira possível: o roteiro, a direção, a fotografia e, é claro, a atuação. Não tinha gostado da personagem da Portia De Rossi na outra metade da temporada, mas agora vejo um potencial enorme de crescimento para ela. Sem contar na atuação da atriz que está absolutamente fantástica. Quero mais Liz nos episódios.


Apesar de não gostar do Tony Goldwyn (por achar que ele não atua muito bem), acho que o personagem Fitz está se mantendo fiel ao que ele sempre foi. A decisão de ter declarado guerra pela Olivia foi condizente com as atitudes que ele vem tomando desde a primeira temporada. Acho o personagem super fraco para o cargo de presidente, mas, pelo menos, ele consegue se manter estável e não se contradizer em suas atitudes.


Algo que me impressiona muito nessa série é a Bellamy Young, e o fato de ela nunca ter sido indicada a um prêmio grande por sua participação em Scandal. A Mellie começou como a personagem que eu mais odiava na primeira temporada, mas hoje acredito que ela seja a pessoa de quem eu mais gosto na série toda. O desenvolvimento e o crescimento que a levaram da primeira temporada para a personagem que ela é hoje me cativaram muito. Todo episódio, fico à espera de ela aparecer e acho que isso se dá pelo fato de que ela é quem ela é, procurando ser a Primeira Dama antes de tudo. Os únicos pontos vulneráveis da Mellie parecem ser a Olivia e a morte do filho, e ambos parecem ter sido superados. A forma como ela vê o relacionamento dela com o Fitz e como ela aceita as ações dele, fazendo o que faz para protegê-lo, me deixa meio confuso a respeito do motivo de as pessoas terem certa aversão por ela. Você não gostar dela por querer o Fitz com a Olivia é uma coisa (apesar de eu não concordar com isso), mas não gostar da personagem pelo que ela é me parece birra, já que ela é uma das mais trabalhadas e desenvolvidas na série, mais centrada e verdadeira no seu modo de pensar e agir. Que 2015 traga pelo menos uma indicação para Bellamy no Emmy ou no Globo de Ouro.




“Do you want to be a babysitter, or you want to be a boss?”



Falando em Emmy e Globo de Ouro, Kerry Washington definitivamente estará lá este ano. Essa mulher é simplesmente perfeita. Tivemos um gosto da Olivia que conhecemos de novo nesse episódio e, sendo sincero, gostei muito. A forma como ela liderou todo mundo para encontrá-la e, quando viu que isso talvez não funcionaria, lidou com Ian para que conseguisse o que queria foi fantástica. Vimos, mais uma vez, que Olivia não está para brincadeiras. Se continuarem nesse ritmo, esta tem tudo para ser a melhor temporada da série até aqui. Estou ansioso para o que vem pela frente, principalmente para saber como o Andrew vai lidar com essa mudança drástica de realidade para ele e com o que o Fitz vai fazer com relação à guerra, agora que Andrew não tem mais Olivia nas mãos. Que Shonda e seus escritores nos surpreendam mais uma vez.

Patreon de O Vértice