Primeiras Impressões | Better Call Saul

Série chega para matar a saudade dos fãs de Breaking Bad e provar que pode andar com as próprias pernas.


“Que tolo que fui de ficar tanto tempo longe de você”. O spin-off mais aguardado de todos os tempos (órfão de Breaking Bad detectado) finalmente estreou, mostrando que poderá fazer da televisão um lugar ainda melhor. O personagem mais cara de pau, vigarista e carismático de Breaking Bad ganhou vida própria numa série baseada em sua história, chegando para acabar de vez com o luto que entramos após setembro de 2013, com o capítulo final da história de Heisenberg e companhia.


A cena inicial de Better Call Saul nos apresenta o futuro pós-apocalítico de Saul Goodman, amargurando uma vida comum e solitária onde trabalha numa padaria de um shopping qualquer. O medo do passado prevalecerá pelo resto de seus dias, mas o que mais pesa na sua nova fase são lembranças de seus gloriosos tempos de advogado. Em Breaking Bad, nós conhecemos um personagem trambiqueiro que conhecia todas as lacunas da lei, e a partir de agora nós iremos nos aprofundar num passado bem antes de Walter White e Jesse Pinkman.


Mas eu não poderia me esquecer de falar sobre os esquemas das cores nos momentos inicias da série. Enquanto em Breaking Bad elas davam o tom da personalidade de cada personagem, aqui nestas primeiras cenas ela ganhou tonalidades em preto e branco, mostrando que por enquanto este personagem do futuro está totalmente fora de ação, perdido numa realidade depressiva e cheia de arrependimentos.


Jimmy McGill – verdadeiro nome de Saul – leva uma vida difícil em seus primeiros anos como advogado. Ele divide a casa com seu irmão mais velho, que tem problemas com estática, e sofre sem dinheiro para manter uma vida mais confortável. Encontramos aqui duas personalidades completamente diferentes dividindo o mesmo teto: enquanto as primeiras ações de seu irmão mostraram que ele possui um caráter irretocável, Jimmy mostrou que o que ele tem de melhor parte exatamente do seu desvio de caráter.


Um pequeno encontro com Mike Ehrmantraut e o desfecho que o levou até Tuco Salamanca mostrou que a série irá aproveitar outros personagens interessantes deixados por BB em nosso imaginário. E aliás, para histeria geral da nação, não foi descartada participações de Aaron Paul e Bryan Cranston na série, já que todos os personagens ainda estavam vivos e operantes naquele tempo em que se passa a história.


Vince Gilligan e Peter Gould, os mesmos criadores de Breaking Bad, estão por trás do novo projeto, então não há como negar estas fortes referências. Um grande legado foi deixado por BB para a televisão, onde grande parte da crítica classificou a série como uma das melhores de todos os tempos, isso sem contar os inúmeros prêmios e indicações nos festivais.


Bebendo dessa fonte, como não poderia deixar de ser, Better Call Saul conseguiu passar com louvor no seu teste inicial. Bob Odenkirk, com uma grande atuação, nos transportou novamente para um lugar de onde nós nunca queríamos ter saído. Se Walter White causava medo por onde passava, esta nova série deverá trabalhar o lado cômico de seu personagem principal, e este será seu principal trunfo. Se até hoje eu ainda lamento o fim de Lost, com Better Call Saul eu poderei aliviar um pouco da tristeza deixada pelo furacão que foi Breaking Bad. Até a próxima!

Patreon de O Vértice