How to Get Away with Murder 1x10 – Hello Raskolnikov

Aqui, a intensidade aqui só aumenta.


Depois de termos sobrevivido a esse pequeno – porém mortalmente angustiante – hiatus, How to Get Away With Murder está de volta, e em grande estilo, como era de se esperar. Hello Raskolnikov marca um dos melhores retornos de hiatus possível, com direito até mesmo a uma menção – além do título – à Crime e Castigo. Então, se ajeite na cadeira, e vamos embarcar em mais uma viagem emocionante pelos eventos da série.


Bom, para começar, como a série conseguiu, no Mid-Season Finale, equilibrar os acontecimentos e explicar a dinâmica dos flash-fowards, o episódio já aconteceu todo no presente. Mas os cortes de câmera rápidos continuam a impressionar.


Algo que me surpreendeu muito, não pelo impacto, mas pela forma como a série fez, foi mostrar a “rotina de beleza” de Annalise em contraste com o interrogatório e outras partes do episódio. Certo que valida a força da personagem como um todo, mas mesmo assim foi muito impressionante como isso foi apresentado.


Também fomos finalmente agraciados com o “fim” da trama das acusações contra Rebecca. Não me entendam mal, eu não gosto da personagem, mas ela é um dos elementos importantes na manutenção da storyline da série e, quando se tem uma storyline tão complexa, tudo serve a um propósito.


As cenas de Connor lidando com seus problemas mentais – tenho certeza que existem alguns ali além das drogas – e tendo surtos histéricos a cada cinco minutos estavam começando a incomodar quando percebi que, como o episódio nos mostrou, eles seriam a janela para Annalise tomar definitivamente o controle da situação.


Ainda melhor do que tudo isso, o episódio terminou deixando a série “fechada”. Os eventos que nos preocuparam e até enlouqueceram de tensão até aqui foram resolvidos. Mas eles gerarão novos eventos. Essa dinâmica mostra um certo respeito com os fãs. Mesmo tendo sido uma das melhores estreias da Fall Season, houve uma preocupação em se preparar um certo nível de conclusão para os fãs, mesmo com a série tendo sido agraciada – merecidamente – como uma temporada de 15 episódios – o que temos que considerar completa, já que é o máximo que nossa estrela, Viola Davis, pode filmar.


Adorei ainda que o teste deles tenha sido defender uma versão modificada do crime que eles cometeram. E a coisa dos nomes – “Mr. Green”, “Mr. White” –, só eu lembrei da obra prima de Tarantino, Reservoir Dogs?


Enfim, é isso. Ainda teremos mais cinco encontros nessa temporada. Considerando o padrão da série, podemos esperar uma Season Finale que redefina os nossos conceitos de mind-blowing. Até a próxima.

Patreon de O Vértice