Crítica | Mr Selfridge 3x03 – Series 3, Episode 3

Acontecimentos arrebatadores dentro e fora da Selfridge.


Que-episódio-mais-wow! Minha nossa! Quem não teve a sensação de ter prendido a respiração logo no início e ficado sem ar até o último segundo? Começando pelo final, afinal essas cenas sempre nos deixam chocados. Logo no início do episódio já esta evidente que iria sair porcaria daquele grupinho, mas juro que nunca pensei em algo do tipo. Talvez por ingenuidade, mas eu realmente não pensei.


Se naquela época já era difícil de aceitar algo do tipo, imagina para nós, com nossa cabeça do século XXI? Mas fico me perguntando qual seria a melhor solução para as mulheres... Ficar calada e fingir que não era com elas? Rebater para tentar fazê-los entender que estavam errados e correrem sérios riscos? Se pensarmos com frieza, ainda vemos muitas dessas situações, e qual a solução? Ainda não sei nenhuma dessas respostas, nem para a série e nem para a vida na atualidade.


Voltando o foco para a série, coitado do pobre Henri. Imagina como era difícil para homens como ele que eram amáveis, gentis e doces terem de enfrentar a guerra? Não acho que Agnes esteja sendo injusta, afinal eles sempre conversaram sobre tudo e agora ela não faz ideia do que se passa na cabeça do marido. Por outro lado, para homens como ele a guerra deve ter sido muito mais difícil. Confesso que a cena da briga me deixou nervosa, principalmente quando ele empurrou a decoração, rs. Assustei-me da mesma forma que Aggie. Por outro lado, acho que essa situação será resolvida logo, mesmo com o preview do próximo episódio mostrando o contrário.


[foto 02] Mr Selfridge 3x03_01


Victor, por outro lado, se mostrou um grande amigo. Mas confesso que por alguns segundos achei que ele iria se aproveitar da situação. Por algum motivo que não sei explicar, sempre espero coisas ruins vindo dele. #implicâncias


Por fim, mas não menos importante, Lord Loxley. Que nojo eu tenho desse ser. A pior parte é perceber que existem, ainda hoje, muitos Lord Loxley por aí. Coitado do Serge, que não tem ideia de onde está se enfiando, afinal, quando ele cair (porque, né? Ele vai cair), será um tombo daqueles... Mas (não acredito que vou dizer isso) tenho que concordar quando ele disse para o Harry que “transações de negócios não podem ser feitas com o coração”. Harry foi tão imprudente que tenho quase certeza que daqui alguns episódios a coisa irá melar totalmente por causa do valor pago no terreno.


Quem se saiu muito bem nesse episódio foi o Fraser. E claro, Madame Selfridges. Que dupla, meus caros, que dupla. Estou ansiosa para saber mais sobre a família “imperial” russa. Os próximos episódios prometem nos deixar sem ar da mesma forma que este nos deixou.

Patreon de O Vértice