Marco Polo 1x05 – Hashshashin

Tentativa de assassinato de Khan e magia sob medida são grandes destaques do episódio.


O misticismo e a magia estão totalmente enraizados na espinha dorsal de Game of Thrones, e a série certamente não seria a mesma sem tais características, que servem de combustível para o mundo imaginário de Westeros. Enquanto os fãs de George R. R. Martin estão se aprofundando cada vez mais numa terra mística – e adorando, diga-se de passagem – vejo que o roteiro de “Hashshashin”, quinto episódio de Marco Polo, acertou em cheio na forma como abordou o tema.


O episódio tem início exatamente na continuação da última cena de “The Fourth Step”, em que Kublai e Polo estão jogando e conversando sobre o destino de seu pai e tio. Três assassinos mascarados invadem os aposentos do imperador e o envenenam pouco antes de serem abordados pelos guardas do local. Marco foi essencial neste momento, defendendo Khan da ameaça. A missão dos mascarados era uma só: assassinar o imperador mongol.


Jia Sidao era o principal suspeito, mas matar seu grande oponente à surdina sem uma grande batalha definitivamente não é o estilo do chanceler. A sabedoria de Cem Olhos mais uma vez foi essencial na trama, e as particularidades dos assassinos logo foram relacionadas aos Hashshashin, lendários assassinos treinados por um mestre chamado Velho da Montanha. Supostamente mortos há muito tempo, esses guerreiros teriam sido treinados nas sombras e são comparados aos próprios demônios.


Jingim deixou a missão de encontrar o “Velho” com Marco e Byamba, que se infiltraram em território inimigo disfarçados de mercadores. Entramos aqui então num ponto ainda não explorado pela série: a magia. Antes de encontrar o mestre dos assassinos Marco entra no “paraíso”, de onde outros companheiros de missão não retornaram, num grande harém, com direito a um breve encontro com a Princesa Azul.


Diferentemente de Game of Thrones, a série não deve seguir um caminho místico e acertou ao tratar as cenas como simples alucinações, mostrando coerência com o que até agora nos foi apresentado. A primeira pergunta que fiz foi: o que será que tinha naquele cachimbo que Marco fumou antes dos delírios? Realmente não sei, mas podemos fazer algumas ligações e relacionar com os fatos ocorridos.


Marco e Byamba conseguiram descobrir que o mandante do crime foi alguém próximo ao imperador, e os próximos episódios devem abordar este assunto. Kublai, como guerreiro forte que é, venceu o veneno e estava novamente em seu trono no final do episódio, que ainda guardava a punição dos parentes de Marco. A cena é forte e cruel, mas reconfortante para Marco por saber que eles não foram mortos. Marco teve a chance de fugir, mas ficou claro que ele agora faz parte daquele lugar. Sua identidade está ligada aos mongóis, e voltar para Veneza já não faz mais sentido.


Estamos na metade da temporada e a série está melhor e mais interessante a cada episódio, apresentando mais acertos do que erros até aqui. Kublai tem uma espiã infiltrada em seus aposentos e agora sabemos que alguém ligado a ele contratou os Hashshashin para assassiná-lo. Isso sem falar em Sidao, que está cada vez mais próximo de ter a guerra que tanto deseja. Enquanto isso, Marco parece cada vez mais ligado ao imperador, ainda mais após salva-lo da morte. Resumindo: fortes emoções estão guardadas para a segunda parte desta temporada. Vejo vocês na próxima review!

Patreon de O Vértice