Forever 1x13 – Diamonds Are Forever

O destino, como a morte, sempre nos achará.


Mais uma vez, Forever chega até nós com um episódio realmente agradável. Na verdade, a atmosfera dos episódios da série continua melhorando. Sem contar com o fato de que Diamonds Are Forever – só eu lembrei do filme de 007 quando li este título? – traz um maior aprofundamento, não diretamente no passado, mas na tristeza que assombra Jo, algo que a mantêm... fechada.


Mas, vamos aos fatos. O caso da semana apresentou um roubo de diamantes, um oficial corrupto e – como anunciado – alguém com ligações com o passado do marido de Jo.


Nos flashbacks, vimos como a trajetória de Henry o levou a conhecer um sacerdote que entende a “maldição” dele como uma benção. Acho importante ver que ele provavelmente foi a primeira pessoa a acreditar em Henry. Não pensar nas implicações da “maldição”, nem refletir ou discutir filosoficamente o fato, mas simplesmente acreditar na sanidade de Henry. Acho que esse pode ter sido um momento determinante para que o personagem seguisse pela trajetória que agora conhecemos. Sem contar que os flashs serviram para dar a Henry a ideia que salvou Jo...


E, falando nela, achei muito válido trazer esses sentimentos, essa fragilidade da personagem. Afinal, embora seja um clichê, a única maneira de se seguir em frete é confrontar e aceitar o que aconteceu. A detetive foi deixando a morte do marido de lado, seja pelo álcool ou pelo foco mais intenso no trabalho que ela obteve quando começou a trabalhar com Henry, mas ela vinha se recusando a confrontar o peso da perda de Sean. O tempo, na verdade, não cura nada, só enterra aquilo que não se quer lidar e faz com que se aparente estar melhor, com que a situação pareça ser aceitável. Confrontar esse pesar que ela evitou por tanto tempo e, o mais importante, ter alguém lá para ajudar – Henry – faz muito sentido. Acho que, cada dia mais, a série está tentando – talvez pelo medo de não obter uma segunda temporada, e talvez um pouquinho em respeito aos fãs – construir um cenário em que Henry e Jo estejam conectados o suficiente para que ele revele seu segredo a ela.


Vimos um pouco de Abe e alguns momentos bem engraçados na joalheria. Mas o episódio foi realmente emocionalmente denso, cheio de escolhas e de seus resultados, além de reflexões – como é característico da série – com um caráter bem profundo.


Bom, isso é tudo pessoal! – não pude resistir... Como Forever só retornará na primeira semana de fevereiro, passaremos uns dias a mais sem conversar. Então, até a próxima.

Patreon de O Vértice