Sleepy Hollow 2x10 – Magnum Opus

Conheça a si mesmo, porque o apocalipse chegou.


Chegou o momento batermos um papo sobre o episódio desta semana de Sleepy Hollow. “Magnum Opus” chegou até nós já com uma aura de cliffhanger, afinal, a série só nos agraciará com mais um episódio, e depois ficaremos órfãos por tempo indeterminado, já que a data para o retorno da segunda metade da temporada em 2015 ainda não foi divulgada pela FOX.


MAS, para compensar a possível demora no retorno, a série nos contemplou com um preparatório para o Winter Finale simplesmente fantástico. Esse episódio teve de tudo... de tudo mesmo. “Deixando de lado os entretantos e partindo para os finalmentes”, vamos aos detalhes do episódio desta semana.


Para começar, a forma como Crane e Abbie conseguem ao mesmo tempo ser tensão e alívio cômico continua sendo genuinamente uma dádiva para quem assiste. A cena do “planejamento” enquanto aguardam Abraham para usá-lo como arma foi simplesmente impagável.


Confesso que a menção ao Livro de Enoque – na verdade mais a parte sobre Enoque – levou minha mente diretamente para as histórias dos Atlantis e para toda a mitologia tão bem apresentada por Eduardo Spohr. Como sempre, a série consegue trazer vários elementos que nos levam a referências/relações com muitas coisas. A cena da escada em espiral me lembrou de 666 Park Avenue, e as referências aos templários foram um prato cheio para nós, amantes da história. E quem não teve a mente levada para a cena de Indiana Jones e a Última Cruzada na hora de escolher entre as espadas?


A obseção de Abraham por Crane, por algum tipo de vingança, sempre se interpõe entre ele e os objetivos. Me pergunto porque Moloch mantêm um servo tão indisciplinado...


Falando dele, achei que fazer um episódio que nos leve a conhecer as outras partes do passado de Crane como amigo de Abraham, partes do passado que não envolvem ódio por ter perdido Katrina ou um machado, nos ajuda a completar mais a mitologia da história, a entender um pouco mais sobre as motivações dos personagens para serem quem são. E como a série vai durar mais nesta temporada, torço para que tenhamos pelo menos mais um episódio como esse. Para fechar a parte “Abraham” da review, finalmente vimos um embate entre o Cavaleiro da Morte – como Abraham finalmente assumiu-se – e a Testemunha que Crane – embora não tendo completo conhecimento de si próprio – é.


E para não dizer que não falei dela – foi um tanto proposital, porque já perdi a paciência com ela... – a culpa (e algum tipo de amor materno) foram a ruína de Katrina, e são a razão para que estejamos nessa confusão. Ela deu a luz a Moloch por não ser capaz de aceitar que o monstro que ela tanto defende é o Cavaleiro da Guerra, que ele é eternamente devotado a Moloch e que não existe redenção para ele.


Ah, como esqueci de falar anteriormente, farei esta observação agora. Durante a temporada, a série já nos agraciou com várias criaturas sendo adaptadas de maneira impecável. Mesmo assim fiquei genuinamente surpreso com a Medusa.


No geral, o episódio é muito difícil de resumir. Mas o sentimento que fica é o do que veremos nossas Testemunhas fazerem para impedir o Apocalipse. Agora que a trombeta foi soada pela primeira vez, uma corrida contra o tempo se inicia. Os domínios de Moloch logo começaram a se fundir com a nossa realidade, e isso claramente vai ser um problema. Então, tentem não perder as cabeças, e até o próximo episódio.

Patreon de O Vértice