SuperStar 1x06 – Duelos, Parte 2

SuperStar 1x06 – Duelos, Parte 2

Neste domingo (11 de maio) foi ao ar mais um episódio de Superstar...

E para você que passou o dia comemorando com a sua mãe e não ligou a TV, aqui vai o resumo do que aconteceu na segunda noite de duelos.

1º Duelo: Move Over (Ivete Sangalo) vs. Mary Di (Dinho Ouro Preto)

Antes mesmo das apresentações, já era óbvio o resultado, afinal, é difícil competir com a banda que conseguiu o melhor índice de aprovação na fase de audições.

Mary Di

Mary Di – Sabe aqueles minutos que duram uma eternidade? Pois então. Já havia dito que não tinha gostado da vocalista na primeira apresentação da banda e minha opinião sobre ela só piorou após vê-la assassinando a letra de “Back To Black”. Ela não só tem a dicção ruim, como também desafina algumas vezes. Uma pena, pois a banda é boa e merecia uma vocalista tão boa quanto. Mesmo com o voto positivo dos três jurados, só alcançaram 66%.

Move Over

Move Over – Quando eles apresentaram Roar na última noite de audições pensei que eles eram bem originais por pegarem uma música pop e transformarem em um rock alternativo, mas depois do duelo percebi que é só uma tática para conquistar o público. Eles repetiram a fórmula da primeira apresentação e fizeram um novo arranjo para “Wrecking Ball” que eu não gostei muito. Adoro a versão original e talvez este seja o motivo da minha apatia pela versão deles. Conseguiram novamente 94% de aprovação, mas eu duvido que eles consigam manter esse nível se começarem a cantar músicas autorais. Achei válido o conselho da Ivete Sangalo incentivando a banda a apresentar uma música brasileira. Tem tanta coisa boa por aqui, não entendo porque muitas bandas não dão valor nisso.

2º Duelo: Yute Lions (Ivete Sangalo) vs. Cidade do Reggae (Fábio Jr.)

Onde foi parar aquela história de não colocarem bandas com estilos semelhantes para duelarem? É nessas horas que eu vejo que não dá para levar a sério o que os jurados falam. Este foi o duelo que quebrou a maldição da primeira banda sempre ser eliminada, e eu já esperava por isso. Yute Lions é uma das minhas favoritas e a melhor representante do reggae em Superstar. A melhor parte desse duelo foi o apoio mútuo entre os dois grupos.

Yute Lions

Yute Lions – Apresentaram “Música de Jah (Me Faz Tão Bem)”, uma música autoral – para a felicidade de Fábio Jr. Mais bonito que os dreads do vocalista, só a voz rasgada dele. Além do carisma da banda e da qualidade técnica, eles conseguem passar muita positividade nas apresentações. Atingiram 82% de aprovação, que foi suficiente para garantir a presença deles na próxima fase.

Cidade do Reggae

Cidade do Reggae – Mais uma música autoral foi apresentada – “História de Amor”. Achei a letra melhor do que a da banda anterior, mas o conjunto da obra da Yute Lions foi superior. A apresentação foi boa tecnicamente, mas faltou empolgação e carisma. Como Fernanda Lima disse, apesar da tela não ter subido, isso não significa que eles não tenham talento. Merecem sim reconhecimento e é uma pena ver uma banda de reggae saindo da competição

3º Duelo: Depois do Fim (Dinho Ouro Preto) vs.Fuzzcas (Fábio Jr.)

Tenho certeza que dormi durante este duelo porque tive que rever as apresentações para escrever essa review.

Depois do Fim

Depois do Fim – O risco de apresentar uma música muito conhecida é que se a banda não conseguir superar a versão original, acaba se prejudicando. E foi aí que pecaram. Mesmo que o Dinho tenha dito que a escolha da música foi perfeita, é óbvio que “Mulher de Fases” pede um vocal mais marcante e um arranjo sem tanta suavidade como a banda fez no início da canção. Foram elogiados por todos os jurados, mas só conseguiram 64% de aprovação.

Fuzzcas

Fuzzcas – Apresentaram “Tic Tac do Amor” (música autoral) e deixaram claro que o estilo deles é inspirado nos anos 60. Não dá pra negar que foi superior a banda Depois do Fim, mas não acredito que eles tenham chances de chegar a final de Superstar. Não é o tipo de banda que faria sucesso com o público brasileiro. Alcançaram 79% de aprovação e passaram para a próxima fase.

4º Duelo – Macucos (Fábio Jr.) vs. Luan e o Forró Estilizado (Ivete Sangalo)

Macucos

Macucos – Com uma música autoral intitulada “Além do Mar”, a banda não conseguiu passar toda essa vibe do reggae que a gente tanto gosta, mas gostei do toque de forró que eles encaixaram no refrão. A composição também é muito boa, mas não foi o suficiente para conquistar o público, nem o Dinho Ouro Preto que criticou a banda por ser tão “certinha” e não transmitir a suavidade do reggae. Atingiram 69% no índice de aprovação.

Luan e Forró Estilizado

Luan e Forró Estilizado – Sou apaixonada por sanfona e a banda me conquistou nos 10 primeiros segundos. Quando o Luan começou a cantar e colocou pra fora todo aquele sotaque da Paraíba, eu me encantei mais ainda. Foi notável a evolução ao comparar a apresentação do duelo com a apresentação da audição. Apresentaram “Esperando na Janela” e alcançaram 81% de aprovação. A única crítica que tenho é sobre a escolha das músicas. Nas duas apresentações escolheram músicas conhecidas e ainda não trouxeram muita novidade para o programa, mas considerando que apenas duas bandas de forró estão na competição, achei merecida a vaga na próxima fase.


Finalizando a noite, Ivete Sangalo e Fábio Jr. cantaram “Alma Gêmea”.

Este não foi o melhor episódio de Superstar e os jurados continuam atropelando todo mundo que tenta falar, mas tenho que elogiar o Fábio Jr., que, mesmo fazendo os piores comentários, parece ser o único a pesquisar sobre as bandas que ele apadrinhou. Mostrou que conhece o projeto social da Cidade do Reggae e sempre tem algo a falar sobre as composições das demais bandas. Os outros dois jurados deveriam seguir este exemplo.

E que venha a terceira – e, provavelmente, última – noite de duelos com menos covers e mais músicas autorais (ou, pelo menos, covers que valorizem o cenário nacional).
Patreon de O Vértice